sábado, 17 de outubro de 2020

O tudo que digo

“Deuses Americanos tem cerca de 200.000 palavras, e eu tenho certeza que há palavras que simplesmente estão lá pois eu gosto delas. Eu sei que não poderia justificar cada uma delas.” – Neil Gaiman 
   A frase que inicia este texto é atribuída a Neil Gaiman. De acordo com a página da wikiquote em inglês ela foi dita em resposta a uma entrevista para a HarperCollins.com. Apócrifa? Talvez. Em minha breve pesquisa pela rede, encontrei diversas menções à frase, mas não a entrevista. Ela faz sentido com a letra presente neste post, assim como a frase de Gaiman que encontrei no site brainpickings.org e não consegui verificar a fonte: 
“Se você vai escrever apenas quando está inspirado, você pode ser um poeta bastante decente, mas você nunca será um romancista – pois você precisará atingir sua contagem de palavras hoje, e essas palavras não vão esperá-lo, esteja inspirado ou não. Então, você precisa escrever quando não está “inspirado.” (...) E o estranho é que seis meses depois, ou um ano depois, você irá olhar para trás e não vai conseguir lembrar quais cenas você escreveu quando você estava inspirado e quais cenas você escreveu porque elas precisavam ser escritas”. 
   Este é um texto que “precisava ser escrito”: há seis meses, emprestei o título do 73º episódio de Lost para falar que o blog estava n'O Início do fim por esforço ou serendipidade, pelo menos dez posts seguintes
foram sobre músicas que não estavam “na programação”, afinal, não foram escritas entre 2007 e 2013. 
    No entanto, falar sobre estas composições deste período ainda é parte da razão de ser deste blog e O tudo que digo, foi escrita em 2009.



O tudo que digo (2009)
  
Elite de toda inspiração 
Constante em minha canção 
Menina, napolitano talismã 
Bela tela em meu ateliê 

Tudo o que sinto por ti é lei 
E o que digo por ti é lei 
Tudo o que sinto por ti é lei 
Tudo o que digo por ti 

Altiva moça a me observar 
Etílico elixir, vou tomar essa 
Lícita emoção, tulipa 
Em porta de meu coração 

Tudo o que sinto por ti é lei 
E o que digo por ti é lei 
Solitude de mim afastou-se 
Quando encontrei você 

Que não gele, não vele, me zele 
Embeleze, me leve, tua imagem me anuvia 
Sina, amor, minha menina, sorriso 
Anjo a cuidar de mim

  Esta é uma letra das letras que “sei que não poderia justificar cada palavra”. Conceitualmente, ela é parte da safra inspirada pelo monólogo aliterativo da personagem título de V de Vingança, como é um trecho de Para Contato (Marte), de 2007 e AcaryeCarina também de 2009. 
   Outra influência parte das letras de Zeca Baleiro que tinha lançado os dois volumes d’O Coração do Homem Bomba em 2008. Há exemplos como Pastiche com rimas tais “Tive uma oficina de desmanche/No carnaval saio na tribo apache/Fiz uma ponta no filme ‘A Revanche’/Contracenei com a Irene Ravache”. 
    Essa composição não carrega o mesmo bom humor. A diversão, no geral, é um aspecto pouco abordado em minhas composições, talvez, por eu ser o tipo de pessoa que “se leva a sério” demais. Ainda assim, há palavras que eu simplesmente quis usar: elixir, anuvia, sina, talismã, napolitano. 
     Esta última palavra, inclusive, se deve a um termo mal-entendido da canção Shooting Star, primeiro encerramento da série Cybercops, cantada por Mika Chiba e com letra de Shun Taguchi, e composição e arranjos de Yuji Toriyama. No pré-refrão, é cantado ‘Mamoritai’ (守りたい), quero proteger, em livre tradução. Ouvindo com meus irmãos na transmissão da Rede Manchete nos anos 90, entendíamos “napolitaki” ou algo similar, o que criou um vínculo com essa palavra devido a repetição, e a posterior vontade de usar o termo. 
    A tulipa surgiu da ideia de ampliar o conceito floral nas letras. Se em 2007 havia girassóis, em 2008 a tulipa entrou no panteão, posteriormente surgiriam orquídeas e azaléas. Cada qual surgindo ou representando algo distinto. 
   Isto posto, é uma das canções com a qual tenho algum atrito hoje. Não que todas as composições precisem contar uma história, ter uma narrativa, mas uma canção construída ao redor de ‘palavras soltas’, me parece vazia. 
     Uma canção, não é apenas a letra é a melodia e há um motivo cíclico repetido de formas diferentes durante a melodia. A mão direita dita muito o tom. Talvez, este seja um dos motivos que levaram bob a descrevê-la em setembro de 2020 como tendo “uma pegada animal” com uma “parte rap/mpb”, mesmo que eu, o próprio compositor, não seja capaz de enxergar isso. Talvez, as músicas se construam pelo olhar e perspectiva “do outro”, “do receptor” e não do emissor. Seja como for, agora esta canção está aqui, no registro de voz de meus dezenove anos. 

P.S. O registro foi mantido mais pela dificuldade que tive em ensaiar o canto que por motivos históricos, é sempre bom lembrar. Como componho algo que não consigo cantar? Há mistérios não tão doces.

quinta-feira, 15 de outubro de 2020

Águia

“Um professor afeta a eternidade; ele nunca pode dizer onde sua influencia encerra” - Henry Adams em The Education of Henry Adams (1907) 

Arte de @isabellaproencart

A arte de Isabella Proença conseguiu encapsular a ligação entre a letra da canção que compus com Renato e a composição do compositor Bill Callahan. A águia vê a carejeira? Ou apenas a imagina? Ou ainda: a cerejeira é o estado de espírito da águia? Fica a critério de quem vê.



Águia (2011)
Letra e música: Renato e Thales Salgado

A querer mais espaço,
o cinza e o azul
Algo do branco.
Nos caminhos que passo,
vejo águias ao sul
E uma longe do bando.

Nas pedras remotas lembranças ebulem
Das terras,
outros animais e daquela paz
Que sentira...

E hoje ela busca nos ares um ninho
Em que possa repousar
Talvez haja outras como ela
Que avista uma velha cerejeira
E suas flores a dançar
O vento a envolve no celeste

Tantas montanhas em seu horizonte
Em rios se espelha o sol
Sua alma desperta
Põe-se a cantar:

Que seu passado a brisa levou
Que seu passado a brisa levou
Que seu passado a brisa levou


     Há alguns dias, Anderson comentou sobre uma publicação que escrevera há 11 anos:

    Quase sem querer, meu pensamento voou para as palavras de Fernando Anitelli. A ludicidade da língua portuguesa em ação. Ele comentou que, à época, estava realmente ouvindo muito a trupe, tornando a ligação, de algum modo, evidente. Essa forma de repaginarmos as referências é bastante discutida, do movimento antropofágico ao último longa de Charlie Kaufman: Estou Pensando em Acabar com Tudo. Trago o texto de meu amigo por alguns motivos, de eu ter gostado do texto a ele poder exemplificar a ideia. Passando pelo fato de que a própria letra desta composição trabalha este expediente de uma forma ou de outra.
    Em 2010, enquanto me familiarizava com meu primeiro Moleskine eu pensava em questões bucólicas influenciado pelo álbum de Bill Callahan "Sometimes I Wish We Were An Eagle". Principalmente pela composição All Thoughts are Prey to Some Beast que inicia com os versos "a arvore desfolhada parecia um cérebro. Nos galhos, os pássaros eram todos os pensamentos e desejos em mim". Esses pensares avulsos ganharam uma página e ficaram ali, competindo com outros pensares, por algum tempo. Não sei dizer quantas vezes reli ou tentei salvar algo dali, pode ser que nenhuma, mas... fica como ilustração.


     Não fica claro, para mim, o momento em que, de uma conversa com meu ex-professor de violão, Renato Souza, surgiu a ideia de que eu fosse visitá-lo para tocarmos um pouco. Tenho registro de ter enviado a gravação que ele fez da música na noite de um sábado: 05 de fevereiro de 2011. Então, imagino o encontro tenha tomado parte em algum ponto de janeiro daquele ano. Ainda eu houvesse presenciado sua habilidade para personificar a "bala de banana Joice" em uma canção em uma de suas aulas, e que ele tivesse musicado poemas meus como a primeira versão de Solipátria e também a versão que levou a minha a ser chamada de O Sol Só II, ele já não ministrava aulas no programa Escola da Família há alguns anos e acabaria por ser um "reencontro". 
     Abaixo, pode ser visto parte do processo de composição da composição, salvo melhor juízo, Renato folheou o caderno de 2010 em busca de ideias úteis e as que fomos escolhendo iam para o caderno de 2011, recém estreado. Há algumas questões pontuais que tem bem a minha cara, como "ebulem" ou o mais-que-perfeito "sentira", mas a lembrança era de sugestões e ideias partirem dos dois lados, com Renato propondo as alterações e mudanças de atmosfera na melodia.
      Penso nesta composição sempre que chega o dia dos professores e é por isso que o texto abriu com uma frase da obra de Henry Adams. Para além desta composição, há uma série de ramificações ecoam de diversos modos: seja recebendo a discografia de Raul Seixas, me apresentando ao Acid Pro da Sony (várias canções daqui foram gravadas com este programa), ou demonstrando como grandes grupos poderiam agregar a apresentação de uma mesma canção, cada qual atuando de forma distinta com o instrumento. Estes conhecimentos, sempre estarão presentes, independente do espaço e do tempo.
       Semanas atrás, escrevi uma nota em que dizia: 'Fico contente de ter atendido com meu irmão o anúncio que falava em aulas de violão gratuitas aos sábados, no Programa Escola da Família. Esse foi um dos momentos que conduziu a este dia, em que dois alunos da E.E. Esli Garcia Diniz e dois alunos da E.E. Dr. René de Oliveira Barbosa se apresentavam juntos.' Mas não era só o programa o responsável, era, de uma forma ou de outra, o professor que fazia a diferença em criar o ambiente estimulante em que grupos diversos transitaram. Já diria Gessinger que "a vida não é um jogo de palavras cruzadas onde tudo se encaixa" mas... nenhum outro professor houve. que nos incentivasse a tocar Homens-Caixa. Coisas assim fizeram toda a diferença.

Sublinhado em rosa
Pensamentos que
Viriam a se tornar
a canção Dádiva

sábado, 10 de outubro de 2020

AcaryeCarina

“A ocarina é um instrumento de sopro em formato oval ou oviforme (expressão web-dicio,) feito, geralmente de porcelana, terracota, madeira ou pedra. A ocarina pertence ao segmento instrumental das flautas e é um dos instrumentos musicais mais antigos do mundo. Possui geralmente a forma oval tendo de quatro a doze furos para os dedos Um tubo chamado de passagem de ar (airway ou windway, em inglês) projeta-se de seu corpo servindo de bocal. Normalmente é feito do mesmo material da ocarina, mas pode ser feito de um material equivalente.” – Definição presente na Wikipedia



 

AcaryeCarina (2009)

Acary de Iracá arcanjo tocava ocarina
Carina ouvia a ocarina e amava Acary
Acary tocava a ocarina não via Carina
Carina sonhava todo o santo dia com Acary

Toque, toque Acary
Não deixe de tocar
Pois amor de ocarina
Faz Carina sonhar

Carmesim era o vestido que para a festa ia Carina
Acary em seu caritózinho não sabia o que vestir
Carina tinha carisma de menina bailarina
Acary não era caribenho muito menos carijó

Toque, toque Acary
Não deixe de tocar
Pois amor de ocarina
Faz Carina sonhar

Acary, meu caro, carece do amor de Carina
Carina carece das caricias que daria Acary
Em Iracá Arcanjo disso tudo o povo já sabia
Carina e Acary em cárcere platônico estão

Toque, toque Acary
Não deixe de tocar
Pois amor de ocarina
Faz Carina sonhar

Acary Carina carmesim a ocarina
A ocarina cárcere arcanjo Acary Carina

    Em um faixa a faixa escrito em 30/01/2010 eu dizia que “a faculdade me fez escrever coisas diferentes, e o que faltou de jogo de palavras na música anterior (O tudo que digo) entrou nessa. Um reggae sobre Acary de Iracá Arcanjo sua ocarina e o amor de Carina. Algo que eu pretendo transformar em conto futuramente. O refrão veio de um conto que minha mãe contava pra mim quando criança “La flor de Lirolay” e que dizia em algumas partes ‘Toque toque pastorzinho nunca deixe de tocar, os meus irmãos me mataram pela flor de Lirolay’.”
    É curioso ter este breve registro escrito há dez anos, por alguns motivos. Por exemplo, nunca escrevi o referido conto. Olhando hoje, inclusive, vejo encontro grande dificuldade em entender qual seria o seu conteúdo. Quem é Carina? O que ela faz? Além de sonhar com Acary todos os dias? Não sei hoje, tampouco sabia na época. Meu interesse era puramente estético, brincar com palavras. O que se destaca nos últimos versos em que se repetem “Acary, Carina, Carmesim, Ocarina, Cárcere, Arcanjo”, mas se encontra em maior ou menor grau por toda a letra. 
   A própria cidade “Iracá” nasceu de “Acari” lido ao contrário. A ocarina surgiu como referência ao jovem Tapion, personagem surgida no décimo terceiro filme de Dragon Ball Z: O Ataque do Dragão, lançado em julho de 1995. Me admira que haja tão poucas menções à animes ou mangás nas letras que escrevi, sendo mídias com as quais tenho muito contato há, pelo menos, vinte e seis anos.
     Quando adquiri o livro de Celina Bodenmüller e Fabiana Prando “A flor de Lirolay e outros contos da América Latina” lançado em 2015 pela Panda Books, qual não foi minha surpresa ao perceber que minha citação ao conto estava errada? A tal flauta cantava “Não me toque pastorzinho, apenas me deixe contar” e não “Toque, toque pastorzinho, nunca deixe de tocar”. Como a memória confundiu-se assim?

terça-feira, 22 de setembro de 2020

Basta olhar bem

 “É fácil prever depois que aconteceu, mas a moral da escrita, para mim, é que quando você está se sentindo amedrontado e nervoso sobre algo e você está bastante convencido de que pode ser um grande desastre, é exatamente a ideia que você deve seguir.” – Damon Lindelof, em entrevista para Emily Zemler, da Esquire, em 7/05/2014

De volta à ilha em arte de @isabellaproencart

 

Basta Olhar Bem (2020)
Letra e Música: Thales Salgado

Boa noite meu amigo
Como vão seus sonhos?
Ainda que te veja em vídeos
Parte, só suponho
Que, por vezes, é corrida a vida
Divididas vias, sei

Gosto de ver-te assim, feliz
E sem amarras
Mesmo sem objetivos
Ou imensos planos
Que possamos estar sempre além
De um sinal fechado

Eu sei
Que a saudade é só uma palavra
Talvez
Ainda nos vejamos numa estrada
De som...

Mesmo a gênese oculta
Já que todos vem de algum lugar
Saiba: mesmo sem perguntas
Que seja natural falar

Copiamos os sentidos
Para falar de amor

   O embrião de Basta Olhar Bem surgiu ao fim de 2016. Á época, estava retomando as composições após um hiato criativo de quase três anos. Não deve ser coincidência que, após ouvir a composição de Bob: Como pode ser verdade? Alguns pensares começaram a ebulir. Ainda assim, há sempre mais ideias que canções.

   Aconteceu quase da mesma forma que Canto de duas cidades levou tempo para tomar forma. A diferença? Por qualquer razão, o registro foi feito fora do moleskine habitual. Encaminhei via WhatsApp e a canção, aí com cerca de 1 minuto, cumpriu sua primeira função. Mas ela acabou não fazendo parte do que veio a se tornar o “Nada há de novo sob o sol”.

    Com o passar dos anos, veio a intenção de retomar e reouvir a canção, eu me lembrava apenas que ela começava com “Boa noite meu amigo, como vão seus sonhos” e que terminava dizendo “talvez ainda nos vejamos nessa estrada de som”.

 

Resquício dos versos originais

Decidi então anotar os versos de que me lembrava e escrever outros versos que completassem a letra e ainda fizessem sentido. Ali ela ficou por alguns dias, até que, na noite em que ouvi sobre a triste partida de Chadwick Boseman e, motivado pelo fantasma de nossa finitude, decidi me debruçar com o violão, escrevê-la e enviá-la.

   Enquanto escrevia, a minha ideia é que seria uma composição contrária à narrativa de Sinal Fechado de Paulinho da Viola. Aqui, existe a possibilidade de contato e ela é aproveitada das maneiras que são possíveis. Sejam vídeos, textos, lives, vlogs. É muito fácil deixar o sinal abrir e partir. Às vezes, não há outra opção, mas, se for possível manter a ligação, e não for um problema para ninguém, o que impede? O final da letra referencia à canção Tributo aos sentimentos

   Quando entrei em contato com a artista Isabella Proença para falar sobre o conceito da arte que ilustra este post, falei sobre Paulinho da Viola, falei um pouco sobre a história da letra, mas, mais do que isso? Falei um pouco sobre Lost e como “nem tudo era o que parecia ser” na série - mesmo na ilustração este conceito se aplica, basta olhar bem. Além disso, não é surpresa para ninguém que a pessoa que escreveu 108 Minutos e Constante pensa na série sempre que acorda às 8h15. O voo 815 da Oceanic Airlines está na ilustração para Identidade mesmo que o “evento” tenha acontecido no dia 22/09. Há citações à quinta temporada na letra de Fim e quase surgiram em outras letras, troque algumas palavras comigo e a probabilidade de me ouvir falar em Lost alguma vez, é grande, portanto, ouvir sobre ela é um risco que minhas amizades correm. Hoje, faz 16 anos que a série estreou. Em maio fez dez que ela acabou. Seja como for, imagino que citações a ela podem escassear, mas não acabarão. Se não pudermos viver juntos, nós vamos morrer sozinhos.